2012 Exposição Monica Millan
2012 Exposição Monica Millan

press to zoom
2012 Exposição Monica Millan
2012 Exposição Monica Millan

press to zoom
2012 Exposição Monica Millan
2012 Exposição Monica Millan

press to zoom
2012 Exposição Monica Millan
2012 Exposição Monica Millan

press to zoom
1/3
2012 Exposição Mariana López
2012 Exposição Mariana López

press to zoom
2012 Exposição Mariana López
2012 Exposição Mariana López

press to zoom
2012 Exposição Mariana López
2012 Exposição Mariana López

press to zoom
2012 Exposição Mariana López
2012 Exposição Mariana López

press to zoom
1/5

Mariana López

Você, Verdade, na Verdade

14 de novembro de 2012 a 31 de janeiro de 2013

Uma instalação é uma ficção.

Uma instalação é a encenação de uma ficção. Uma instalação é uma ficção colocada no abismo. Uma instalação é uma ficção que expõe seus mecanismos de ficcionalização. Uma instalação expõe mecanismos de ficcionalização. Uma instalação é uma ficção que expõe os mecanismos com os quais se ficcionalizou algo. Uma instalação é uma ficção que expõe os mecanismos com os quais alguém ficcionalizou algo. Esse alguém já não existe. Esse algo já não existe. O que se ve é uma cena. É a cena de uma ficção: um ambiente fechado ao exterior por grossas cortinas de tecido, que bem poderiam estar cobrindo algumas janelas, algumas latas, elementos de trabalho, caixas de papelão, CDs, pequenas pinturas e alguns objetos sobre as caixas. O que se ve na ficção desta cena: os indicios de alguém que esteve trabalhando na encenação de uma ficção. Por trás da cortina: o depósito, os mecanismos. A encenação de uma ficção que encena a encenação de uma ficção. A ficção encenada na enceanção da ficção é a gênese do macio.

Monica Millan

Aranha

14 de novembro de 2012 a 31 de janeiro de 2013

Mónica Millán sempre surpreende. Não importa quanto de sensível e refinado possamos detectar nas qualidades já reconhecidas da sua obra: esta é, invariavelmente, motivo de assombro e maravilha. Ainda não conseguimos explicar como foi possível enfiar esses brocados de linhas delicadíssimas que embelezam com orgânica naturalidade a superfície do lenço em uma exuberância imperial de arborizados cenários subtropicais, ornamentos vegetais, discretas aparições de fauna autóctone e flora selvático-subaquática, minuciosas transcrições dos ícones da história natural, de exemplares botânicos reconfigurados e misturados no surto estival de luxuosos e ligantes rizomáticos.

Mais agora, Millán se deixa levar por esse rapto de ventosa dispersão que parece ter soprado sobre seus arábicos jardins afastando-os da cena, diminuindo mais radicalmente que nunca a roupagem de seus dilatados morros gráficos no mudo recato do lenço cru, para abstrair-se e abster-se da predominância deles, levada a examinar a intervenção lírica de novas sonoridades, nesta chamativa síntese rítmica de enjoiados motivos de flutuação.

Éder Roolt

Festa Anticonformista

8 de agosto a 28 de agosto de 2012

Ambigüidade é o nome do jogo aqui. O artista Éder Roolt carrega nas tintas para pôr em xeque noções culturais de real e realismo, de reprodução e identidade, de padrão e desvio. Bebendo na fonte do hiper-realismo, do qual ao mesmo tempo desconfia profundamente, Roolt cria uma linguagem própria de pintura figurativa – que passa então a distorcer e tencionar conforme a necessidade do tema abordado ou da iconografia eleita.

A exposição de Éder RoolT ajuda a separar o joio do trigo no contexto da pintura de seu tempo. Pelo contraste que propiciam em relação a boa parte da produção vigente, suas telas evidenciam o quão complacente e apaziguadora é a pintura praticada nos ateliês paulistanos hoje em dia (porque não se compromete com nada, tem medo de fazer escolhas ou defender o que quer que seja, e acaba esvaziada pela banalidade). Sua pintura, ao contrário, é crítica. Seu discurso é sofisticado. Sua técnica, impecável. E está em boa companhia: Marilyn Minter, Montean & Rosenblum, Eric Fischl, Rudolf Stingel e Dan Colen são alguns dos artistas com quem sua obra dialoga.

Juliana Monachesi

Luiz Alphonsus

Máquina de Voar

4 de setembro a 6 de outubro de 2012

O espaço, a fronteira final, onde os opostos se atraem, matéria e anti-matéria em equilíbrio quântico. Fim e início se tocam num ambiente que se expande em aceleração, galáxias em constante dispersão, colisões de campos gravitacionais que se irmanam.  

Volumes exatos, sólidos, superfícies brilhantes e lisas, um ideal mecânico. Nestes trabalhos de Luiz Alphonsus, a técnica apurada é motor de vital importância. As telas nos remetem a painéis de máquinas, satélites, e supõe métodos técnicos, objetivos e precisos. Em outras acelerações, o brilho metálico da tinta-chumbo, reflete a massa das matérias que compõe a pintura. Gravitações cromáticas deformam a geometria do espaço-tempo, e nos convidam para um mergulho ao microcosmos do artista, revelando um cuidado repleto de escolhas subjetivas, sobreposições; o virtuosismo técnico de um mestre do desenho/pintura. Luiz pilota uma série de ferramentas e utensílios usados minuciosamente para produzir os efeitos programados, capazes de representar esse lugar entre os limites do interior da sonda e o infinito em permanente expansão. Pintura é a arte do disfarce.

2012 Exposição Éder Roolt
2012 Exposição Éder Roolt

press to zoom
2012 Exposição Éder Roolt
2012 Exposição Éder Roolt

press to zoom
2012 Exposição Éder Roolt
2012 Exposição Éder Roolt

press to zoom
2012 Exposição Éder Roolt
2012 Exposição Éder Roolt

press to zoom
1/4
2012 Exposição Luiz Alphonsus
2012 Exposição Luiz Alphonsus

press to zoom
2012 Exposição Luiz Alphonsus
2012 Exposição Luiz Alphonsus

press to zoom
2012 Exposição Luiz Alphonsus
2012 Exposição Luiz Alphonsus

press to zoom
2012 Exposição Luiz Alphonsus
2012 Exposição Luiz Alphonsus

press to zoom
1/6

2012

Julia Cseko

Parque de Diversões para a Cabeça

18 julho a 4 agosto 2012

 

Gisele Camargo

Falsa Espera

15 de junho a 12 de julho de 2012

A linearidade formal da obra esconde e contém a explosiva multiplicidade de acontecimentos e simbologias que ali moram, exatamente como os mais belos e obscuros horizontes espalhados pela natureza.

Humana ou não.

Seremos assim aqui todos criadores, respondendo - inventando - a chamada em aberto, vinda do nosso mais ambicioso e receptivo futuro.

Jorge Espinho

Martín Legón

El que Desea y no Actúa Engendra la Plaga. Debemos ser, Despiadadamente, Nuestros Más Despiadados Censores

8 de maio a 8 de junho 2012

 

Partilha

Exposição Coletiva

20 de março a 28 de abril 2012

Exposição com Barbara Schall, Benedikt Wiertz,  Bruno Cançado, Guilherme Cunha, Isaura Pena,  Julia Panadés, Mariana Rocha, Raquel Schembri e Ramon Martins

 

2012 Expo Martín Legón
2012 Expo Martín Legón

press to zoom
2012 Expo Martín Legón
2012 Expo Martín Legón

press to zoom
2012 Expo Martín Legón
2012 Expo Martín Legón

press to zoom
2012 Expo Martín Legón
2012 Expo Martín Legón

press to zoom
1/5
2012 Expo Julia Cseko
2012 Expo Julia Cseko

press to zoom
2012 Expo Julia Cseko
2012 Expo Julia Cseko

press to zoom
2012 Expo Julia Cseko
2012 Expo Julia Cseko

press to zoom
2012 Expo Julia Cseko
2012 Expo Julia Cseko

press to zoom
1/6
2012 Expo Gisele Camargo
2012 Expo Gisele Camargo

press to zoom
2012 Expo Gisele Camargo
2012 Expo Gisele Camargo

press to zoom
2012 Expo Gisele Camargo
2012 Expo Gisele Camargo

press to zoom
2012 Expo Gisele Camargo
2012 Expo Gisele Camargo

press to zoom
1/3
2012 Expo Partilha
2012 Expo Partilha

press to zoom
2012 Expo Partilha
2012 Expo Partilha

press to zoom
2012 Expo Partilha
2012 Expo Partilha

press to zoom
2012 Expo Partilha
2012 Expo Partilha

press to zoom
1/4